A Airfluencers preza pelo bem estar de seus cliente e funcionários!

Por conta do novo Coronavirus, a empresa toda fará home office de 16/03 a 20/03. Mas não é por isso que deixaremos de atendê-los da mesma forma de sempre!

Pedimos somente que, caso tenha alguma dúvida ou problema, nos contate pelo chat da plataforma (balãozinho rosa à direita da janela), site, e-mail, ou via direct de nossas redes.

Por Airfluencers

Em 28 de June de 2022

Como uma rebelião em Nova York reflete o maior ato do público queer em São Paulo, que em 2022 arrastou 4 milhões de pessoas às ruas.

 

De Stonewall para São Paulo – Após dois anos de evento online, a Parada do Orgulho LGBTQIAPN+ de São Paulo aconteceu neste domingo (19), levando quatro milhões de pessoas às ruas da Paulista, com atrações grandiosas em seus trios, como Pabllo Vittar e Luisa Sonza. Mas, a parada do Orgulho tem uma história de muito antes disso.

Parada do Orgulho LGBT de SP revela data para edição 2022; evento poderá ocorrer de forma presencial – Pheeno

 

Antes mesmo de se contar a história da rebelião de Stonewall em 1969, que deu origem ao que hoje conhecemos como o mês do orgulho em Junho, é importante se entender o contexto histórico daquele momento, e do lugar. Em 1962, nos Estados Unidos, o sistema judiciário havia acabado de considerar “legal” o relacionamento entre duas pessoas do mesmo gênero em meio a declarações de ódio da época. Apenas sete anos antes da rebelião de 1969.

 

Isso refletiu em o único estabelecimento abertamente queer da época, o Stonewall Inn, que ainda sim, mesmo com a legalização dada pelo judiciário dos Estados Unidos, sofria batidas da polícia, e eram frequentemente atacados. E por conta desses eventos, que em Junho de 1969 após uma apreensão de cunho violento da polícia nos frequentadores do local, que Marsha P. Johnson, e outras pessoas do bar, começaram a liderar um movimento de rebelião.

 

O que se passou dentro daquele bar, e também fora dele, quando as manifestações foram para as ruas, com cartazes e dizeres durante aquele mês, deu origem ao que hoje conhecemos como o Mês do Orgulho, celebrado em Junho, não apenas nos Estados Unidos e Brasil, como em outros países.

 

Embora curiosamente no Brasil, país onde mais ocorrem crimes de ódio contra LGBTQIAPN+s no mundo, foi a primeira nação das Américas a descriminalizar a homossexualidade – e uma das primeiras em todo o mundo.

 

A Parada do Orgulho LGBTQIAPN+ de São Paulo começou somente em 1997, mas rapidamente se tornou uma das maiores do mundo, sendo hoje o evento que mais reúne turistas na capital paulista (e o segundo do Brasil, perdendo somente para o carnaval carioca).

 

Viajando novamente para este ano, a Parada do Orgulho, que já está na sua 26º edição, levantou o grito de que devemos também votar com orgulho. Carregando o olhar e o tom político para dentro do evento, visto que este ano o país passa pelo seu recorte de lados nas eleições.

 

Tema da 26ª edição da Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo — Foto: Divulgação/ParadaSP

 

Por outro lado o “Vote com Orgulho” carrega o debate e o compromisso da população LGBTQIAPN+ por politicas públicas no combate à discriminação, e nas questões afirmativas à respeito da diversidade.

 

Em questões econômicas, a Prefeitura de São Paulo levantou que 80% das hotelarias de São Paulo tinham as suas locações ocupadas por conta da Parada, e que cada turista gastou, em média, R$1.600 reais, antes e depois do evento.

 

Entenda também como funciona o mês do orgulho LGBTQIAPN+ nas marcas!

 

 

FONTES: https://www.hypeness.com.br/2018/06/como-as-revoltas-de-stonewall-na-ny-de-1969-empoderou-o-ativismo-lgbt-para-sempre/

https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2022/06/19/parada-do-orgulho-lgbt-volta-a-paulista-apos-dois-anos-online.ghtml